Gametogenese

Espermatogênese

* Inicia na puberdade e continua até a velhice. Ocorre em ondas (ciclos ininterruptos). Ela possui quatro fases:

   -Origem extra-embrionária das células germinativas e sua migração para as gônadas – as células germinativas primordiais aparecem no saco vitelino e devem migrar para as gônadas. Seu caminho será através do intestino primitivo até encontrar as cristas gonadais.

   -Aumento do número de células germinativas por mitose – as células germinativas, ao atingirem as gônadas, começam a se dividir por mitoses; aumentando o numero de células germinativas. A partir da puberdade, começam a surgir dois tipos de espermatogônias: as espermatogônias A, que sofrem mitoses periódicas; e as espermatogônias B, que entram em meiose.

   -Redução do material cromossômico por meiose – compreende a divisão do espermatócito I em II (meiose I), e a divisão deste em espermátides (meiose II).

   -Maturação estrutural e funcional dos gametas – é a espermiogênese, processo através do qual as espermátides diferenciam-se em espermatozóides. Para tanto, ocorrem algumas mudanças, como: formação do flagelo, formação da vesícula acrossomica (complexo de Golgi), agrupamento de mitocôndrias em espiral em torno da porção proximal do flagelo, e redução de citoplasma.

 

Ovogênese

Da mesma forma que os gametas masculinos a ovogênese passa por diferentes estágios em seu desenvolvimento. Eles podem se dividir em:

Maturação Pré-natal: As ovogônias, provindas do saco vitelino, entram em mitose no ovário; e alcançam o estagio de ovócitos I, que são envolvidos por células foliculares, formando os folículos primordiais (discutidos adiante).

Maturação Pós-natal: A partir da puberdade é reiniciado o desenvolvimento folicular, e quando o folículo esta prestes a romper causando a ovulação, o ovócito I se torna ovócito II. O ovócito II estaciona em metáfase, que só se completará caso haja uma fecundação; formando o ovulo propriamente dito.

 

Desenvolvimento folicular.

 

 

Ótima aula. A matéria já tinha sido dada na histologia quando do estudo do ovário. Porem foi muito bom para a fixação do conteúdo! É muito interessante ver como o corpo humano, através da evolução, conseguiu desenvolver tantos mecanismos complexos e de funcionamento tão magnífico.

 

Folículo primordial: Ovócito envolvido por uma camada simples de células foliculares (pavimentosas).

Folículo primário: Mitose das células foliculares formando algumas camadas de células cúbicas. Ocorre também a formação da Zona Pelúcida e o inicio da formação das teças interna e externa.

Folículo secundário: O aumento da granulosa (células Foliculares) e da produção de liquido folicular promove a formação de antros (espaço intra-folícular preenchidos por liquido folicular). Esses antros acabam por se unificar formando uma única cavidade. Essa cavidade força a granulosa a formar a corona radiata (“parede envolvente do ovócito”) e o cumulos oophorus (região de união entre o ovócito e a parede do folículo).

Folículo de Graff: folículo maduro na eminência da ovulação.

 

Referencias:

MOORE, Keith L.: Embriologia Clinica. 5ed. Rio de Janeiro, GUANABARA KOOGAN, 1994.

JUNQUEIRA, Luiz Carlos Uchoa: Histologia Básica. 11ed. Rio de Janeiro, GUANABARA KOOGAN, 2008.

 

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: