Anexos embrionários e gestação múltipla.

Aproveitarei para juntar esses dois assuntos pois eles estão bastante correlacionados.

 

Anexos embrionários:

 

                Anexos embrionários são estruturas derivadas do ovo, mas não relacionadas com a formação do concepto, exceto parte do saco vitelino (intestino primitivo) e alantóide (úraco). Porém têm função de mantê-lo.

          Placenta

          Membranas fetais (saco vitelino, âmnio, córion e alantóide)

Placenta:

·         Origem:

– Materna = decídua basal (pequena)

                -Fetal = vilosidades coriônicas (grande)

·         Funções:

-Proteção

              -Nutrição

              -Respiração

              -Excreção

              -Produção hormonal (esteróides, hCG e hPL)

·         Barreira Placentária = PROTEÇÃO

-Antes da 20 semana:

               -Citotrofoblasto

               -Sinciciotrofoblasto

               -Tec. Conjuntivo das vilosidades coriônicas.

               -Endotélio dos capilares fetais.

-Após a20 semana:

               Nó sincicial

– Citotrofoblasto descontínuo

– Tecido conjuntivo menor

– Endotélio

 

·         Transporte placentário:

-Gases: O2, CO2 e CO.

-Nutrientes: Água, vitaminas e glicose. Colesterol, triglicerídeos e fosfolipídios dificilmente atravessam a placenta.

-Hormônios: hormônios protéicos não atravessam (exceto: T3 e T4); hormônios esteróides não conjugados atravessam livremente.

-Eletrólitos (sais): atravessam livremente.

-Anticorpos: são passados ao feto para garantir imunidade.

-Excretas: uréia e AC. Úrico.

-Drogas: A maioria das drogas e seus metabolitos cruzam a placenta livremente; o que pode gerar diversos defeitos congênitos e síndromes.

-Agentes infecciosos: o citomegalovírus, rubéola, os vírus Coxsackie, varíola, varicela, poliomielite e sarampo atravessam livremente a placenta; assim como os microorganismos: Treponema pallidum (sífilis) e Toxoplasma gondii também cruzam a placenta. 

-Outras substancias: Pequenas quantidades de sangue podem atravessar a placenta. Caso o feto seja Rh-positivo e a mãe Rh-negativo, pode ococrrer a produção de anti-Rh por parte da mãe e este passar para o feto causando a hemólise de hemácias (doença hemolítica do recém-nascido). Hoje tal situação é facilmente evitada pela administração de imunoglobulina Rh na mãe.

Membranas fetais:

·         Âmnio*: nutrição, proteção, trocas, manutenção de temperatura e desenvolvimento simétricos

·         Córion:

-Frondoso: Placenta.

-Liso: Membrana coriônica.

·         Saco vitelino:

-Formação do intestino primitivo.

-Nutrição do embrião até a formação da circulação útero-placentária.

-Hematopoese da 3ª à 6ª semana.

-Origem das células germinativas primordiais.

·         Alantóide:

-Hematopoese da 3ª à 5ª semana

-Formação dos vasos umbilicais

monomonomono

Gravidez múltipla.

                         Os gêmeos podem ser separados nos seguintes grupos:

dicorio-1plac·         Dizigóticos (fraternos): Originados a partir de uma ovulação múltipla. Os gêmeos fraternos SEMPRE apresentarão âmnios e córions individuais, porem os córions e placentas podem se apresentar fundidas.

·         Monozigóticos (idênticos): Originados a partir de um único ovulo. A geminação do zigoto normalmente ocorre durante a forma de blástula (1 semana). Neste caso cada embrião terá seu próprio âmnio porem dividirão o córion e a placenta. Em casos raros aonde a geminação ocorre precocemente (no estágio de mórula), esses embriões apresentarão características de gêmeos dizigóticos. Caso ocorra uma geminação tardia (2 semana; disco bi laminar) os embriões dividirão o mesmo saco amniótico; porem raramente esses gêmeos acabam sendo viáveis.  

A gravidez múltipla está cada vez mais comum devido à mdicorioaior quantidade de tratamentos hormonais realizados em mulheres em idade fértil.

Importâncias clinicas de uma gravidez múltipla:

·         Transfusão gêmeo-gemelar: desvio da circulação placentária preferencialmente para um dos fetos, devido da placenta única ou por anastomose de vasos.

·         Gemelaridade imperfeita: Gêmeos siameses.

Craniópagos = unidos pelo crânio

-Xifópagos = unidos pelo esterno

-Isquiópagos = unidos pelo isquio

-Pigópago = unidos pelo sacro

-Divisão em λ = Uma cabeça e dois corpos distintos

-Divisão em W = dois corpos distintos a partir da cintura

-Divisão em Y = duas cabeças e um corpo

·            Litopédio : morte fetal intra-útero seguida de saponificação e calcificação, pode ser absorvido pelo irmão gêmeo, gerarando um fetus in fetus

·         Feto papiráceo :morte fetal intra-útero, seguida de saponificação e compressão.

 

*Sindrome da brida amniotica: http://www.pediatriasaopaulo.usp.br/upload/pdf/54.pdf .

 

Referencias:

MOORE, Keith L.: Embriologia Clinica. 5ed. Rio de Janeiro, GUANABARA KOOGAN, 1994.

TEMPSKI, Patricia: Slides Aula.

 

 

Prática: Gestação múltipla.

 

Bem interessante. Visualizamos algumas peças de gestação múltipla de forma a entender as classificações em relação aos anexos embrionários e a posições em situ dos fetos. Visualizamos também algumas das conseqüências patológicas sobre a gestação múltipla; como o feto papiráceo e transfusão gêmeo-gemelar.

 

Prática: Anexos embrionários.

       

                A parte de anexos em sua maioria foi visto nas mesmas peças da gestação gemelar. Algumas peças de placenta puderam ser vistas em peças próprias como já frisei na “Aula Pratica: Placenta”. Algo bastante interessante foi a divisão vascular da parte materna em relação à parte fetal.

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: